• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 23 de julho de 2013

Jogos físicos e psicológicos

- Hummm...sabes, estive a pensar, e há muito tempo que não damos nomes a partes do nosso corpo...

- Eu não gosto quando fazemos isso...

- Oh! Gostas sim, eu sei que gostas...

- Está bem. Mas tem de se pensar muito e não me apetece pensar hoje.

- Eu gosto quando tu pensas muito...Gosto de olhar para ti e ver as tuas veias latejar, como se quisessem rasgar a pele e irrigar o corpo todo...Além disso eu tenho andado a pensar nuns nomes...

- Pronto está bem. Começa tu então.

- A minha mão, o que chamarias à minha mão?

-...errr... ...não sei, só me ocorre caridosa, não sei...

- Gosto de caridosa. Assim podes pedir-me uma caridosa sempre que precisares que eu trate de ti...e o meu pescoço? Que nome dás ao meu pescoço?

- Err..Lóbulo. Assim podia beijar-te o lóbulo e acariciar-te a orelha ao mesmo tempo...

- Hummmm...está melhor já. E eu chamava aos teus lábios aquecedor...não desumidificador. Não, humidificador é o que queria ter dito. Não! Aqueles cremes humidificadores. Hidratantes, eu queria dizer hidratantes, para tratares de mim. Não, esquece. És tu a dizer os nomes hoje... E ao meu sexo? O que chamarias ao meu sexo...

- Feminino! Muito feminino...

- Oh, vá lá...diz lá um nome giro...eu estou a gostar muito disto...

- Foice.

- Foice?!

- Sim, foice. Nós somos de esquerda, o meu é o martelo, o teu é a foice...

- Hmmmmm. Gosto muito...mas sabes, para o teu eu tinha pensado em pérnico e para o meu podias dar o nome de Cesto...

- De vime?

- SIM! És tão esperto. ANDA cá...

- Não, espera, pérnico? O que raio é pérnico?

- Então! Não é óbvio? Dá-me Copérnico...Duh...

- Isso não faz sentido nenhum, pérnico não existe! Copérnico podia ser, sei lá, o teu rabo... Vez por que é que eu não gosto desta cena dos nomes...

- Gostas sim, eu sei que gostas...ANDA cá...

- Não. Espera. Achas que faz sentido alguém me perguntar "ainda estás aí?" ao telefone, depois de saber que eu ia num comboio em movimento? É que apesar de eu estar sentado, eu estava em movimento, como tal estás aí para mim não faz sentido, percebes?

- Chega de palavras...e de pensar...eu sou Tróia e tu és um cavalo hoje...

- Não, se tu fores Tróia, eu sou península.