• FIM
  • R.I.P

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Banda Sonora

Sempre que penso que fiz, ou disse, algo que te possa ter tocado, que possa ter-te feito ver as coisas de uma outra forma, chego, inevitavelmente, à conclusão que nada disso aconteceu. Não consegui ainda compreender se isso acontece devido ao facto de eu tentar tantas vezes, por querer mesmo chegar a ti, se acontece porque, apesar de eu querer muito isso, não consigo expressar-me, explicar-me para que tu me consigas entender, ou se és tu que não me entendes, faça eu o que fizer, se és tu que não me queres entender, ou que não queres que eu te consiga alcançar, faça eu o que fizer, ou mesmo se pura e simplesmente sou eu que não te entendo, faças tu o que fizeres, para conseguires chegar a mim, para me conseguires alcançar, tocar-me...

5 comentários:

Tindergirl disse...

Isto das novas tecnologias. Estou a escrever do telemovel. Já tinha lido e apaguei a luz. Depois fiquei a pensar neste problema. Acendi a luz porque acho que encontrei uma boa solução. E se lhe escrevesses uma carta e assinasses com o teu nome? :)

AP disse...

:) Isso seria uma boa ideia, mas só fazia sentido no tempo em que as luzes estridentemente brilhantes ainda não se tinham fixado, de uma forma permanente, no meu cérebro ;)

Tindergirl disse...

Deve haver um botão qualquer para diminuir a intensidade dessas luzes e o ruído que elas provocam.

AP disse...

Não me parece...Agora as nossas vidas estão a mudar rapidamente, a única coisa que resta é esperar que alguma coisa de puro permaneça. No entanto, uma coisa é certa, antigamente nós tínhamos o costume de esperar, pacientemente até, apesar do formigueiro constante na barriga enquanto a espera durava.
Devia ter colocado a outra música nesta banda sonora. :)

Tindergirl disse...

Sim, acho que podias ter escolhido outra musica :)
Devia haver outro botão para regular a velocidade do tempo, mais depressa ou mais devagar consoante o que nos conviesse.