• FIM
  • R.I.P

sexta-feira, 26 de março de 2010

Banda Sonora

- Já está! Segui mesmo de acordo com o que te disse que ia fazer! Ou melhor, sem tirar nem por, segui tudo, exactamente, como te disse que ia…

- O QUÊ? TU foste mesmo para a frente com isso? Tu és maluco!...

- Já te disse que não compreendo porque razão dizes uma coisa dessas! Sou maluco porquê?

- Porque és! Porque ninguém no seu perfeito juízo faz uma coisa dessas sem se lixar!

- Boa, excelente justificação a tua! Sou maluco porque ninguém no seu perfeito juízo faz o que eu fiz sem me lixar! Bom, e se eu te dissesse que, apesar de me ter lixado, é verdade, e não comeces já com o numero do eu disse-te por favor, eu continuo a pensar que ninguém tem o seu juízo perfeito é se não fizer a mesma coisa que eu fiz!

- OK, nem sequer me vou vangloriar por te ter dito o que já sabia que ia acontecer, mas eu disse-te não disse? O giro é que tu és tão teimoso que agora achas mesmo que é o mundo inteiro que está errado e tu é que estás certo! Admitiste, para minha surpresa, confesso, já que estamos numa de ser completamente honestos, admito que não pensava que tu me dissesses que te tinhas lixado numa coisa que disseste que é mesmo ser suposto ser assim, não é costume seres assim, no entanto, apesar de admitires que te lixaste, achas na mesma que tens razão! Em suma, continuas a ser tu, apesar de ter havido aí essa nuance…

- Estás a ver! Tu, com aquilo que me estás a dizer, estás a dar-me razão e nem sequer queres admitir! Tu que me conheces há anos, acabas de ficar surpreendido com o que te disse! Apesar de achares que sou eu na mesma, ficaste surpreso por eu ter admitido que me tinha lixado e no entanto continuo a ser eu próprio! Teimoso, como tu lhe chamas, honesto comigo e com os outros, como eu lhe chamo e como eu acho que deve ser e como eu acho que devo fazer, com todas, repito, todas as pessoas sem excepção e sem qualquer tipo de artimanhas para agradar, ou para ser simpático só porque se deve ser simpático…

- Se queres saber mesmo o que penso, eu até concordo contigo em parte, também acho que se deve agir assim da forma que dizes, mas só com as pessoas que conhecemos bem não é! Não com toda a gente como tu preconizas! E não me venhas cá com tangas, porque tu próprio admitiste que te lixaste! Portanto, meu amigo, aprende a lição, não devemos, nunca, ser nós próprios, na total e completa plenitude do nosso ser, quando conhecemos alguém com quem queremos estabelecer uma relação amorosa! Isto é tão óbvio, tão simples e tão…sei lá! Só um gajo como tu é que poderia conceber uma coisa dessas! Tu achas mesmo que alguém está preparado para conviver com alguém que acabou de conhecer, logo com completa honestidade? Logo sem haver aquele charme que se faz, e todo aquele jogo de sedução para cativar o outro? Tu és maluco se achas mesmo que sendo tu próprio desde o principio vais conseguir manter uma relação com alguém! Ouve o que te digo…

- Já te disse o que penso e vou manter isso, não vale a pena continuarmos sempre a falar do mesmo, eu penso desta forma e tu pensas da tua forma, no fim veremos quem teve razão! Só no fim é que se pode avaliar uma coisa dessas…

- Está bem então, fica combinado assim, no fim veremos quem teve razão! Achas que aos 70 anos é uma boa altura para avaliarmos isso?

- Sim, penso que é uma boa altura! Concordo com isso, vou anotar aqui na minha agenda electrónica…

- Mas diz-me, lixaste-te porquê?

- Não sei bem, mas penso que ela ficou com a impressão que sou paranóico, ou então que devia estar a fazer um jogo qualquer que ela não gostou, ou pensava que eu não estava a ser verdadeiramente eu, ou que eu, afinal, não sou como ela pensava, não sei…

- Só tu meu! Decides começar e ser quem tu és numa relação com uma pessoa que conheces e ela pensa que tu não és tu! Só tu…

- Não foi isso que eu disse, eu disse que não sei bem, e aventei algumas hipóteses! Foi só isso…

- Aventaste ou alvitraste?

- Não tenho tempo nem paciência agora para essa discussão! Olha, vou ali ver as folhas das árvores cair…

Sem comentários: