• FIM
  • R.I.P

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Call me

Entrei no café. Quando entrei no café, estavam, numa mesa ao fundo, uma mulher, vestida com calças de ganga, uma camisa branca e umas socas, daquelas com um salto enorme. Ao seu lado estava sentada uma rapariga, que presumo ser a filha. A filha estava vestida praticamente da mesma forma, só que a camisa era preta e vermelha. Ambas tinham as unhas dos pés pintadas de cor-de-rosa, e estavam com o cabelo apanhado.
Na mesa a seguir, sentadas de costas para as duas mulheres, estavam outras duas mulheres de meia-idade. Ambas eram bem constituídas, uma delas tinha o cabelo grisalho e esteve sempre calada. A outra tinha o cabelo muito curto, castanho-escuro, e usava uns óculos com umas lentes que pareciam um fundo de garrafa. Estavam as duas vestidas com bata branca. Em frente à senhora de cabelo curto e de óculos, estava um homem, também de meia-idade, careca, gordo e com bigode grisalho.
Quando entrei no café, enquanto me dirigia ao balcão, ouvi o homem dizer que só haviam de existir no mundo mulheres novas e homens já com uma certa idade! Assim que me viu, baixou o tom de voz e poucas palavras depois calou-se. Pedi um café à senhora que estava ao balcão e enquanto ela me tirava o café, começa a falar a senhora que estava em frente ao homem, que presumo ser o seu marido. Disse a senhora em tom de voz bastante alto:

- Não sei para o quê é que queres mulheres novas! As de hoje em dia não servem para nada a não ser para andarem bem vestidas e cheirosas! Elas não aguentavam nem metade do trabalho que eu aguento nas casas onde tenho passado, não servem para nada hoje em dia, andam sempre cansadas. Na camioneta nem sequer se dignam a levantar-se para os mais velhos se sentarem, não servem mesmo para nada! Haviam era de ir lavar escadas!

Depois de me ter servido o café, a senhora gritou para a mesa, para baixarem o tom de voz. Bebi o meu café e saí.
A coisa mais fácil do mundo, é enganarmo-nos a nós próprios.

2 comentários:

Zigue Zague disse...

E uma das mais difíceis é admitir que nos enganámos.

AP disse...

O Cabaco que o diga!