• FIM
  • R.I.P

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Complexos #23

Sexta-feira, 18:30. Sexta-feira é o seu dia preferido da semana. Por todas as razões e mais alguma, aquela sensação de liberdade que sentiu quando tinha 16 anos, ao ter ido ver um concerto naquela cave tão cheia de movimento e pessoas, naquela altura, fez com que a partir daí desfrutasse das sextas-feiras de uma forma completamente diferente em relação aos outros dias da semana. Por volta das 18:30 saiu do trabalho sem a mínima expectativa do que poderia vir a fazer nessa noite. Tinha apenas em mente ir ver um concerto, e depois, provavelmente, ir até ao bar do costume. Assim que saiu do trabalho, antes de ir para casa, decidiu levantar logo o dinheiro que pensava ir precisar para a noite. Ocorria-lhe frequentemente levantar dinheiro atempadamente, sem qualquer tipo de pressão para ter dinheiro rapidamente, mas, sempre que lhe ocorria este pensamento, logo de seguida pensava que podia perfeitamente levantar dinheiro mais tarde, e acabava, em quase todas as vezes, por andar de caixa em caixa à procura de uma que finalmente tivesse dinheiro e, simultaneamente, papel para poderem sair os papelinhos com o saldo! Por razões que desconheço, esta estranha personagem não acredita em pagamentos por Multibanco nos diversos estabelecimentos e eventos a que vai, bem como não concebe, de forma nenhuma, levantar dinheiro numa caixa de Multibanco sem que saia em conjunto o papel com o respectivo saldo! De uma forma completamente automática, guarda sempre consigo os últimos 13 papéis das últimas 13 operações que efectuou numa caixa ATM! Desta vez, assim que lhe ocorreu levantar dinheiro atempadamente, viu uma caixa de Multibanco, viu um lugar para estacionar mesmo em frente à caixa, não hesitou sequer um segundo, estacionou de imediato e saiu para levantar dinheiro. Com aquela sorte toda, mesmo a convidar para fazer de imediato o que se pensa, parecia mesmo que tudo estava de novo a começar a correr bem. Fazia já uma semana que andava com dores de garganta. Andava a dormir mal, felizmente que finalmente o antibiótico começava a fazer efeito. Desde a hora de almoço que praticamente não sentia dor nenhuma! Sim, depois de uma semana horrorosa em termos de trabalho e de saúde, a sexta-feira, o melhor dia da semana, estava finalmente a por as coisas em ordem novamente. Embrenhado nos planos que começava a delinear para a noite que se aproximava, colocou o cartão de Multibanco na máquina e aguardou que lhe fosse dada a indicação para colocar o código. De repente, ecrã azul! Dumping memory, qualquer coisa, não conseguia ler bem por causa do reflexo da luz no monitor. Aguardou cerca de 10 minutos, especado a olhar para a máquina, e nada! Olhou em volta, indagando-se por momentos se não seria mais um esquema de um gang de Multibanco qualquer, e decidiu telefonar para a linha de apoio ao cliente do seu banco! A menina que o atendeu disse-lhe que as únicas coisas que podia fazer eram, o cancelamento do cartão, e o pedido de um novo! Aparentemente, devido a regras de segurança, hoje em dia já não se devolvem activos os cartões que ficam nas máquinas de Multibanco! A única solução é cancelar o cartão, pedir um novo e pagar por isso tudo! Bonito serviço! Não muito crente no que a menina do apoio ao cliente lhe tinha dito, mas tendo feito tudo o que ela lhe disse que podia fazer, não conseguia agora deixar de pensar porque é que lhe tinha dado para alterar a sua rotina de pensamento! Porque é que ele não tinha feito como sempre fazia sempre que pensava em levantar dinheiro?! Pela primeira vez tinha ido levantar dinheiro no momento exacto em que o tinha pensado fazer, e, 20 minutos depois, não só não tinha dinheiro, como já tinha gasto cerca de vinte euros no cancelamento e no pedido de um cartão novo! Ainda por cima, não tinha agora forma de levantar dinheiro! Sem haver mais que pudesse fazer ali, e sem saber muito bem como é que conseguiria arranjar dinheiro para a noite, dirigiu-se ao local do concerto que iria ver nessa noite. A partir daquele momento era importante saber quanto seria o bilhete e a hora exacta que estava prevista o início do concerto! Partindo do pressuposto que conseguiria arranjar dinheiro emprestado por um amigo, de forma como as coisas estavam a correr, e ainda não eram 7 da tarde, não queria correr o risco pedir dinheiro a menos e depois ficar a meio da noite sem dinheiro! Estava pior do que estragado, não se sentia nada à vontade em pedir este tipo de favores. Apesar de saber que tem amigos que não têm qualquer tipo de problema em desenrasca-lo numa situação destas, mais uma vez, vá-se lá saber porquê, sente-se sempre altamente desconfortável em pedir alguma coisa a alguém! Ao chegar ao local do concerto, um cartaz com letras enormes dizia CANCELADO! Nesse momento deu um murro na sua cabeça e perguntou a si mesmo, porque é que tinha pensado que a semana estava finalmente a correr bem sem que nada de bom tivesse ainda acontecido, genuinamente convicto que aquele pensamento positivo, naquele preciso momento em que tinha alterado a sua forma pensar rotineira, estava agora a influenciar negativamente o resto do dia! O que é que iria fazer agora e ainda sem dinheiro, e sem um sítio definido para ir, e já era quase hora do jantar! Nunca tendo acreditado no destino, acreditando no entanto, ter sido predestinado para passar frequentemente por situações semelhantes à que estava neste momento a passar, foi com agrado e alguma surpresa que viu o telefone a tocar! Era um amigo de longa data que há muito não via! Ficaram muito pouco tempo ao telefone, combinaram jantar nessa noite. Já com algo definido para fazer nessa noite, depois de ter hesitado alguns segundos, telefonou ao seu melhor amigo para pedir dinheiro emprestado. Afiançou-lhe que lhe pagaria sem falta na segunda! Sem qualquer tipo de problema o amigo emprestou-lhe 100 Euros. Após ter passado pelo local de trabalho do amigo, que por sorte ficava perto de onde estava, seguiu para casa. Quando se preparava para tomar banho, recordou-se do shampoo novo que tinha comprado há uns dias atrás! Pela segunda vez na sua vida tinha comprado um shampoo sem qualquer tipo aconselhamento! No dia em que comprou o shampoo, entrou na loja, viu vários shampoos e comprou o que melhor lhe pareceu na altura! Não são nunca fáceis, para ele, este tipo situações, tão usuais, para o mais comum mortal! Prestes a começar o seu banho, estava agora bastante relutante em usar o mesmo, com medo que tivesse comprado um shampoo que lhe fizesse mal ao couro cabeludo! Da primeira vez que comprou um shampoo sob as mesmas condições psicológicas, apanhou uma tal alergia que quase lhe custou todo o seu cabelo! Num rasgo de impulsividade, assim que acabou de molhar a cabeça, sem qualquer tipo de hesitação usou destemidamente o shampoo novo! Terminou o seu banho com uma excelente sensação de liberdade, e sem qualquer tipo de remorso por ter usado o shampoo, embora soubesse que o facto de estar a pensar que era bom não sentir remorsos por isso, isso por si só significava que estava, mais uma vez, a dar demasiada importância a algo que não significa absolutamente nada! No jantar, depois do seu amigo ter ficado ligeiramente desapontado por não poderem partilhar uma garrafa de um bom vinho tinto, uma vez que ele o informou que não podia beber por estar a tomar um antibiótico, tudo decorreu como normalmente decorre neste tipo de jantares! Lembraram, mais uma vez, algumas das histórias do costume, riram, falaram sobre os restantes companheiros que há tanto tempo não vêm, sobre as quezílias habituais do trabalho, e por fim, discutiram entre si sobre qual deles pagaria o jantar! Quando saíram do restaurante, cada um dirigiu-se ao seu carro! O amigo, sem tempo sequer para beber mais um café num outro sitio qualquer, a mulher dele acabara de telefonar por causa de uma pequena urgência familiar sobre algo que o filho tinha feito, e ele não dispunha de mais tempo naquela noite, tinha de ir de imediato para casa. Pensou durante uns segundos sobre o estranho que é, quase como que de um momento para o outro, todos os seus amigos terem tido filhos! Ele, tinha para si todo o tempo de mundo! Era sexta-feira, o melhor dia da semana! Enquanto se dirigia de carro, sem saber muito bem para onde, decidiu parar o carro no alto da colina perto do local onde tinha jantado. Fumou um cigarro, desfrutou da vista, do silêncio e fechou os olhos por um instante apenas para ouvir a música da Janis Joplin que tocava alto no seu rádio. “Freedom is just another word for nothing left to lose, Nothing don’t mean nothing honey if it ain’t free”. Decidiu ir onde quase sempre vai às sextas! Horas mais tarde, no Bar, ele está agora junto ao balcão com um sumo na mão e um cigarro na outra! À sua frente está uma rapariga a rir e a dançar descomplexadamente enquanto conversa de vez em quando com as restantes pessoas do seu grupo. Ele fala esporadicamente com um sujeito, que sem saber muito bem como, tinha começado a falar consigo desde há umas semanas! O tal sujeito, entretanto, começa a meter conversa com a tal rapariga que dançava à sua frente. O sujeito diz qualquer coisa à rapariga, que ele não consegue perceber devido à música estar bastante alta, e ela, com um olhar bastante surpreso, dirigiu-se a ele e pergunta-lhe se conhece aquele sujeito de algum lado! Ele responde que apenas o conhece dali e sem tempo para dizer mais nada, ela grita-lhe ao ouvido que o sujeito a tratou por senhora e que isso lhe tinha causado um arrepio no corpo, mostrando alegremente o braço! Nitidamente ébria, continua a dizer-lhe ao ouvido que não aprecia a abordagem que o outro sujeito lhe tinha feito e começa a dançar novamente! Desta vez, praticamente encostada a ele! Enquanto tocava a musica “Should i stay or should i go” dos The Clash, ela volta a gritar-lhe ao ouvido para lhe dizer que o shampoo dele tem o mesmo perfume que o dela! Depois, com um sorriso nos lábios, vira-se para ele e diz-lhe “Always tease tease tease, Youre happy when Im on my knees… …Well come on and let me know Should I stay or should I go?...” Como resposta ele sorri envergonhadamente e limita-se a cantar também! Logo na musica seguinte, Take me out dos Franz Ferdinand, ela volta a dizer-lhe ao ouvido, “I say you don't show Don't move time is slow I say... take me out”. Nesta altura, num acto de extrema loucura para ele, decidiu usar o humor! Virou-se para ela, e com a cabeça indicou a porta tendo dito a sorrir, bora! Ela riu-se e continuou a dançar encostada a ele. De repente, assim que a musica (I can’t get no) satisfaction dos Rolling Stones começou a tocar, ela agarra na mão dele e puxa-o para o meio da pista! Ali ficam durante toda a música, agarrados a dançar! Ele não consegue evitar mostrar um grande embaraço quando ela lhe diz que acha que eles têm os dois a mesma onda e que muito provavelmente há ali uma cena que eles tinham de desfrutar! A seguir, ela pergunta-lhe se ele não gosta de curtir o momento e ele responde-lhe que gosta mas que é muito tímido para o conseguir fazer! Ela responde-lhe que também é tímida mas que isso não a impede de poder curtir aquele momento! Ela começa novamente dançar e ele não consegue perceber mais nenhuma palavra que ela lhe diz, com um ar maroto, enquanto dançam de mão dada! “I can't get no satisfaction.'Cause I try and I try and I try and I try. I can't get no, I can't get no. “. Depois de terem voltado novamente para o seu lugar, desconhecendo completamente que aquela noite iria mudar para sempre a sua forma de estar na vida, “ele lá lhe disse a medo o meu nome é Pedro e o teu qual é? Ela corou um pouquinho e respondeu baixinho, sou a Cinderela. Quando a noite o envolveu, ele adormeceu e sonhou com ela…” – Carlos Paião.

2 comentários:

Em Bicos de Pés disse...

Agora fiquei curiosa sobre a marca do shampô!

AP disse...

:) A marca não sei, mas é um daqueles que foi retirado do mercado porque fazia mal ao couro cabeludo!