• FIM
  • R.I.P

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Banda Sonora

- Com que então, o menino diz que não quer assentar! Dizes que não é estilo de vida para ti, que não faz parte do teu feitio! Podes dizer-me então qual é que é o teu estilo de vida? Qual é que é o teu feitio? Eu já nem vou ser chato ao ponto de te perguntar como é que o farás durante a tua vida inteira, mas consegues dizer-me exactamente como é que pensas que vais conseguir manter esse teu estilo de vida, digamos, até aos 80? Até aos 80 não, estava a ser mau. Até aos 40, como eu sou um gajo porreiro, estabeleço o limite nos 40. Explica-me lá então como é que vais fazer isso? Explica-me como é que vais manter o teu grupo de amigos de infância até aos 40, sem que nenhum de vocês abandone o barco? Como é que vocês vão todos continuar a fazer o que sempre fizeram desde os tempos de adolescente? Como é que planeias não ficar só, sem ninguém para conversar ou te fazer companhia, se insistes em não querer casar, ter filhos, se insistes em viver a tua vida como se o amanhã não existisse, se insistes em viver em função de horários que acabam por não ser estabelecidos por ti, só para continuar a fazer, cada vez mais esporadicamente, aquilo que tu achas importante? E muitas vezes, tu bem sabes disto, apenas e só para tentar manter um contacto, uma proximidade, ou até mesmo uma intimidade, que sentes e sabes ser cada vez menor! Tal como sentes e sabes que cada vez mais menos podes fazer para que isso não aconteça, ou que vá acontecendo de quando em vez, ou que acabe por inevitavelmente acontecer? E não me venhas cá com tangas! Tu, no fundo, sabes que não és tu que estabeleces os teus horários, nem o podes fazer quando isso não depende só de ti. Tu dizes que não te importas se viveres sozinho, ou que não te importas se ficares sozinho, dizes até que isso é fixe, ou bom, nem sei bem... Mas, acho que também sabes, muito bem até, que à medida que o tempo vai passando, mesmo que todos tenham dito o mesmo que tu, que a pouco e pouco, todos eles vão fazer a vida deles em função de outras coisas, de outros objectivos que vão surgindo, às vezes quando menos se espera! E que cada um, repara bem, cada um deles, vai seguir um rumo diferente daquele que disse que ia seguir. 97% das pessoas que dizem o mesmo que tu, aos 30 já assentaram! Só os ousados, os rebeldes, ou os teimosos, é que se mantêm firmes ao que disseram, ou preconizaram para a sua vida. E mesmo esses, ao fim de um tempo, cedem, e acabam por fazer o mesmo que todos os outros fizeram. Um, em cada cem, é que efectivamente faz aquilo que dizes querer fazer. E depois? Sim, e depois, como é que vais fazer quando tiveres 40 anos e estiveres só? Vais sair com quem, vais falar com quem?...

- Isso pergunto eu! O que é que estás a dizer ao teu filho? Achas mesmo que isso são coisas que se digam para o miúdo adormecer? Tem juízo Adalberto! Tu disseste que ias passar a ter juízo...

- O que é que tem? Achas que um puto de dois meses percebe o que eu lhe estou a dizer? Sabes perfeitamente que o que importa é a entoação com que se diz as coisas e não o que se diz. Além disso, apesar de saber que ele não percebe, estou já a treinar-me e a antever o futuro, não quero ser apanhado desprevenido no futuro, nem quero que ele diga as mesmas baboseiras que eu disse, ou que faça as mesmas asneiras que eu fiz.

- Adalberto...Sabes perfeitamente que ele só vai aprender isso à custa dele, por isso...Anda...Vamos deitar-nos também. Hoje quero que me contes uma história bonita, de príncipes e princesas e bruxas más...Contas-me uma história hoje?...

You say you want diamonds on a ring of gold
You say you want your story to remain untold
But all the promises we made
From the cradle to the grave
When all I want is you
You say you'll give me a highway with no one on it
A treasure just to look upon it
All the riches in the night
You say you'll give me eyes in a world of blindness
A river in a time of dryness
A harbour in the tempest
But all the promises we make
From the cradle to the grave
When all I want is you
You say you want your love to work out right
To last with me through the night
You say you want diamonds on a ring of gold
Your story to remain untold
Your love not to grow cold
All the promises we break
From the cradle to the grave
When all I want is you
You
All I want is...you

U2 – All I want

3 comentários:

joaninha versus escaravelho disse...

Quando "a personagem desta história" chegar aos 45 vai continuar a dizer o mesmo, quer tenha "assentado" ou não.
Se não o diz pensa-o... :/
O ser humano é um ser social mas, cada vez mais, a mulher percebe que a sua vida vida é tão importante quanto a do homem com quem "assenta".
Esta forma de estar na vida, se era mais incidente no homem, não é porém um exclusivo dele. A mulher anda a utilizar a mesma linguagem.
Os conflitos já andam aí... como os Aliens... :)
PS.: Só por isso não entendo esta cena da lei dos casamentos. Agora que quase não se liga ao casamento é que andam a pensar nisto... :/

AP disse...

Razão tinha era o António Variações quando dizia que estava bem onde não estava porque só queria ir onde não ia... ;)

joaninha versus escaravelho disse...

É mais ou menos isso...
:/
Dou por mim a pensar muitas vezes nisso: O que quero eu mesmo? Ficar sozinha ou ter alguém ao meu lado?
Já tenho tantos hábitos só meus, que não tem sido fácil de conciliar o que eu sou com outra pessoa...
Mas se estou sozinha também sinto a falta de alguma coisa. Nem que seja para falar sobre o que estou a pensar e não interessa a ninguém. acho que encontrei um escape aqui na blogosfera. Mas não há ninguém para falar comigo, escrevo.