• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Present tense

Era terça-feira outra vez! Matematicamente, todas as terças a sua disposição mudava! Tornava-se birrento, ressabiado, conflituoso até, o que apenas servia para que todas as terças o dia fosse, invariavelmente, horrível, e, por consequencia, que o ódio à terça-feira fosse crescendo exponencialmente semana após semana. Não tendo sido sempre assim, apesar de nunca o ter revelado a ninguém, ele sabia perfeitamente, e desde quando, porque é que não gostava deste dia da semana em particular. Habituado, desde tenra idade, a fazer uma e uma única só associação por dia daquilo que era mais marcante para ele nesse dia, toda a sua vida se tinha transformado num encadeamento de memórias associadas a outras memórias como se de uma película contínua de um filme se tratasse. Por vezes, raramente, com o intuito de conseguir provar a si mesmo a sua existência física, e para que pudesse confirmar que podia, sempre que lhe aprouvesse, materializar tudo aquilo que mentalmente encadeava, fazia uma associação de um determinado momento, sempre matutado com todo o detalhe, a algo corpóreo! Desta forma, tendo perfeita noção de tudo o que se tinha passado na sua vida desde que se recorda de ter memória, sem no entanto conseguir explicar porque é que decidiu começar a fazer tal cadeia de pensamentos, detalhe que a determinada altura quase o levou à loucura, numa bela e solarenga tarde de terça-feira, em Agosto, decidiu associar um sentimento de felicidade à luz do dia que lhe batia na cara, ficando tal momento marcado no filme da sua vida como a magnifica Terça-feira (Take 6939). Só que, tal como a sua avó tantas vezes lhe havia dito, e como tão claramente se podia ver representado no take 2922, Agosto mês de desgosto! Onze anos mais tarde, numa terça-feira em tudo igual à magnifica terça-feira, facto que o levou a concluir que de onze em onze anos os dias são exactamente iguais, a associação 10962, levianamente feita devido ao excesso de confiança gerado pela certeza de que um dia pode mesmo ser exactamente igual a outro, transformou-se na peça que subitamente se desequilibra e quase consegue despoletar a queda abrupta e fugaz das restantes as peças à sua volta. Desde então, as 1826 associações volvidas ficaram indelevelmente condicionadas pelo sucedido, coisa que passou a fazer com que o seu humor à terça-feira nunca mais tivesse sido o mesmo. Assim, numa terça-feira, talvez por ironia do destino, ou porque o destino afinal não existe, de manhã, ainda antes de sequer ter sido congeminado o take mental 1827 (uma vez que desde a magnifica terça todas as associações só poderiam ser feitas precisamente no minuto cinquenta e nove da vigésima terceira hora de cada dia, para que nada pudesse atropelar uma associação e fazendo inevitavelmente com que cada take tivesse necessariamente de ser rodado à primeira, premissa alias estabelecida da mesma forma que começou a fazer as associações, mas que, inexplicavelmente, nunca o motivo de tal lhe apoquentou o espírito) e enquanto um raio de sol lhe iluminava a cara, tropeçou e embateu com a cabeça violentamente no lancil do passeio! Até hoje, a única coisa que consegue dizer sem se babar, sem no entanto compreender o que significa, é a pergunta: Valeu a pena?

1 comentário:

joaninha versus escaravelho disse...

Ahahah Já estva a imaginar um grande filme de ficção científica e acabas assim isto.... ahahahahaah