• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Banda Sonora

Já é praticamente uma tradição, no fim do ano todos os órgãos de comunicação fazem inevitavelmente o balanço do ano. É normalmente nestas alturas, quando leio um jornal, ou revejo alguns dos acontecimentos do ano, que me apercebo do pouco tempo que passou sobre algumas coisas que eu pensava terem sido há que tempos! Tem sido assim invariavelmente desde há uns anos para cá. Quando era pequeno, não tinha a mínima noção do tempo. As férias de verão demoravam uma eternidade, ao ponto de quase se começar a ter algumas saudades da escola. Recordo-me de ir de férias, uma, duas semanas, para qualquer sítio, e depois ter a sensação de tudo estar diferente quando voltava! Era incrível, só tinha saído de casa durante duas semanas e quando voltava havia sempre algo diferente! Pessoas novas que brincavam na rua, alguma coisa diferente na paisagem, que eu quase nunca conseguia perceber o que era, e eu ficava com aquela sensação, que sempre me fascinou, de achar que tinham passado anos desde que eu tinha estado em casa pela ultima vez! Mais uma vez, tal como quando somos pequenos, na idade adulta a noção do espaço temporal continua completamente indefinida. Quando somos pequenos, duas semanas parecem-nos anos, quando somos adultos, dois anos parecem-nos duas semanas e duas semanas parecem-nos dois anos simultaneamente! Nunca mais tive aquela sensação de terem passado anos quando regresso de férias, tenho mais a sensação que ainda no dia anterior tinha ido de férias. No entanto, isto não se trata de nostalgia, nem nada do que se pareça, apesar de tudo não deixa de ser agradável a surpresa que tenho todos os anos, quase como se fosse a primeira vez, quando sei que certos acontecimentos que eu pensava que tinham sido há anos, afinal foram apenas há alguns meses. Não percebi ainda é se esta sensação, inconscientemente, me quer dizer que eu ainda sou novo, ou se me está a dizer que eu estou a gostar de envelhecer! De qualquer das formas, gosto da desordem de pensamentos que esta ideia me provoca, e no fundo, no fundo, todos estes pensamentos, todas estas sensações, apesar do fim que representam, fazem-me sentir vivo e com energia para recomeçar tudo de novo, sempre que assim tem de ser.

Joy Division – Disorder

I've been waiting for a guide to come and take me by the hand.
Kill these sensations, make me feel the pleasures of a normal man.
New sensations barely end since we've been for another day.
I've got the spirit, lose the feeling, take the shock away.

It's getting faster, moving faster now, it's getting out of hand.
On the tenth floor, down the backstairs into no man's land.
Lights are flashing, cars are crashing, getting frequent now.
I've got the spirit, lose the feeling, let it out somehow.

What means to you, what means to me, and we will meet again.
I'm watching you, I watch it all, I take no pity from your friends.
Who is right and who can tell and who gives a damn right now.

Until the spirit, new sensation takes hold, then you know

I've got the spirit, but lose the feeling

Sem comentários: