• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Banda Sonora

Morreu! Não sei o quê. Só sei que morreu! Também, se eu quisesse mesmo muito, e por muito esforços que eu fizesse, não saberia como explicar o que é. Nem descrever o que é eu sei! Só sei que se sente. E, agora, sei que morreu. É apenas o que sinto. Sem conseguir, de igual forma, explicar porque é que é isto que agora sinto. Não se trata de pessimismo, negativismo, conformismo, ou outra coisa qualquer que o valha. É, pura e simplesmente, aquilo que a consciência, outra coisa que apenas se sente, me diz. Não me deixa contente, obviamente, mas também já não me deixa triste, ou infeliz. Tornou-se talvez um hábito, como alguém se habitua à ideia de que um ente querido morreu. E vive-se com isso, com a certeza de que tal morte retirou também uma parte da vida de outra pessoa, continuando a pessoa na mesma a viver, mas carecida para o resto da sua vida de mais uma pedaço dessa mesma vida. Que, por vezes até da memória consegue escapar. Vá-se lá isso conseguir explicar! Ninguém morre de uma vez e pronto. Vai-se morrendo aos poucos. Alguns até ficarem secos de vida! E depois pumba, morrem também. De tempos a tempos, de quando em vez, recordo-me desse sentimento que morreu. Gostava mesmo de conseguir sentir outra vez tal sentimento. De ser capaz de fazer com que isso acontecesse de facto. Se fosse possível, trocaria até uma outra coisa qualquer ainda viva em mim por tal sentimento, nem que fosse pela possibilidade de o viver apenas mais uma vez. Gostava mesmo...

Calexico - All systems red

Felt a tremor stir beneath my breath
That forecasts storms on the gallup poll
Woke up from the nightmare news
Hoping to read a sign in the morning air
Nothing changes here and nothing improves
All say my friends who just want out
And leave these troubles behind
Scatter like paper in the eye of the storm
Documented with a silenced note
That's only heard from far, far away
More cards in play, following suit
Everywhere you look, you only see red
Wonder when to call off the race
Watching a horse running down its last legs
Just when you think it couldn't get much worse
Watch the numbers rise on the death toll
And the chimes of freedom flash and fade
Only heard from far, far away
I hear you can't trust in your own
Now the grey is broken in the early morn
And the words forming barely have a voice
It's just your heart that's breaking without choice
Everything you've learned is distorted in your head
Bouncing off the walls, unraveling the thread
Staying up with the blue screen glow
Forgetting everything you ever dreamed years ago
When the dread is flowing down my veins
I want to tear it all down and build it up again
Tear it all and build it up again
Hear your heart that's breaking without choice
I want to hear those chimes ring again
Ring again

Sem comentários: