• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Postais de Cucujães

Então, já saiu do quarto? Ainda não! Ainda está lá em cima! Tem sido assim desde a sexta-feira 13! Já não sei mais o que é que hei de fazer! Pois…nem eu! Mas que anda com um comportamento estranho outra vez anda! Ninguém me tira da cabeça que foi por causa da maldita sexta-feira! Eu bem lhe disse para não sair de casa, lembras-te? Não sei porquê, chama-lhe sexto sentido se quiseres, pressentimento, não sei, mas que eu senti que alguma lhe estava para acontecer naquele dia, senti. E agora, o que é que fazemos? Não podemos deixar ficar as coisas assim. Anda, diz-me o que é que fazemos? Foi para isto que casámos e quisemos ter filhos, foi para que quando estas alturas finalmente chegassem nós conseguissemos, juntos, resolver tudo e mais alguma coisa! Diz-me o que é que fazemos agora? Oh, mon amour, je ne sais pás! Vraiment!...Por favor! Não me comeces agora a falar francês…Mais porquoi? Mon amour…Sabes que o francês é, por excelência, a língua do amor! Se invocas neste momento o nosso amor, para resolver o problema que temos agora entre mãos, queres melhor altura para falar em francês e recorrermos efectivamente a ele para que consigamos vislumbrar uma saída? Sabes perfeitamente que a língua do amor é o italiano, ou até mesmo o espanhol! Queres coisa mais bonita do que um te quiero sussurrado ao ouvido? Bom, olha que o russo, com a pronuncia correcta, repara Я тебя люблю…Bem, se queres entrar por aí, a lingua arabe...
Entretanto, enquanto decorria este pequeno dialogo, lá em cima, depois de ter passado grande parte da noite sem dormir, tal era a ansiedade com que se deparava a sua mente, abria os olhos, pela primeira vez na manhã e com um sorriso rasgado na cara! É HOJE! É HOJE O DIA! Com a convicção absoluta de que tudo tinha corrido de acordo com todos os sinais que há anos esperava, desde a ultima sexta-feira 13, precisamente o dia em que tinha decidido que se alguma coisa fosse tivesse de acontecer, como forma de sinal, para que pudesse entender e começar então a mudar o rumo da sua vida, essa coisa teria de acontecer na sexta-feira dia 13, o seu dia preferido desde a primeira sexta-feira 13 que viveu, quando um raio quase lhe caiu em cima! Já nada podia demover a ideia de que tudo batia certo, nada podia parar e impedir a sequência de movimentos iniciada! Esta era, sem duvida absolutamente nenhuma, a imparável sequência de movimentos! Como podia não ser?! Primeiro conheceram-se sexta-feira dia 13! De seguida, no dia seguinte, o primeiro teste supremo, conseguir fazer mais de 250.000 pontos no tetris! 423.554 Record absoluto. Jamais alcançado naquele aparelho! Previamente por si determinado, e com a motivação em alta, foi um pulinho até decidir saltar para a ultima etapa e esperar que os três, extremamente importantes, sinais aleatórios que teria obrigatoriamente de receber, finalmente chegassem! Condição para que isso acontecesse? Teria de ser nos 3 dias consequentes ao dia 14! No dia 15, o seu coração pulou de alegria, quando a meio da tarde passou finalmente por cima da poça, na calçada que avista da janela do quarto, o carro preto sem um tampão no pneu da frente do lado esquerdo do carro! Só faltavam dois! Dois sinais e a sorte estaria definitivamente lançada! No dia 16, eram 23:39 e a desolação tinha ocupado todo o espaço. Foi preciso um sinal extra, para que se conseguisse levantar da cama aquela hora! Às 23:41, depois de ter caído, sem razão aparente, da prateleira ao lado da janela, a caneca que tinha trazido de Barcelona, tendo ficado em migalhas em cima dos tacos e em cima do tapete, sentiu-se na obrigação de se levantar e limpar os estragos que o acaso tinha feito. Sem sequer ter notado ainda que era a caneca de estimação, olhou para a janela antes de se baixar para apanhar os cacos e o seu coração voltou a estremecer! Ali estava, ali estava o segundo sinal! Quem diria que apenas voltaria a recordar-se da caneca no dia 18! Tal como no filme, um saco transparente voava na linha do horizonte paralela à sua visão da janela! Flutuava, como se tivesse vida própria! Depois acenou um adeus com a asa direita, e seguiu o caminho das estrelas. Ainda hoje tem a certeza que ouviu o saco rir…
Com 2 dias passados no quarto, o terceiro dia era o dia em que o ultimo o sinal, o mais difícil de obter, por todas as razões e mais alguma, teria de ocorrer! Depois de quase arruinadas as hipóteses de tal acontecer, dado que era condição primordial acordar de manhã, tendo estado quase noite toda a tentar dormir a todo o custo para que pudesse acordar de manhã, quando acordou, o Sol brilhava e os melros cantavam! Era finalmente manhã e tinha dormido o suficiente pare que a premissa permanecesse impoluta! Com um sorriso estampado na cara, desde o segundo em que acordou, bastava agora descer as escadas e encontrar os seus Pais a falar, apenas e somente, Português, para que o terceiro sinal fosse cumprido e finalmente pudesse declarar todo o seu amor, sabendo, com certeza, que isso era a coisa certa a fazer…

3 comentários:

Em Bicos de Pés disse...

Gostei particularmente da parte em que o saco acenou com a asa direita. :)

joaninha versus escaravelho disse...

Acho que ele, seja lá quem for, tem razão. O Amor é uma questão de sorte. O grande problema dele é ser supersticioso. Ser supersticioso e não ter sorte é muito mau.
Há assim uma letra duma música daquelas antigas de que te deves lembrar: "eu cá não sou supersticioso, mas o pai dela dá-me azar...". (Heróis do Mar?) :/

AP disse...

:) Sim, é Heróis do Mar.