• FIM
  • R.I.P

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Banda Sonora

Subitamente, sinto-me como se estivesse a ver-me cair, em queda livre, a toda a velocidade rumo ao chão, e não consigo importar-me sequer com isso. Pelo contrário, à medida que me aproximo violentamente do chão, tenho esta sensação de leveza que cresce exponencialmente. É quase como se conseguisse ver-me cair, ao mesmo tempo que flutuo, apreciando todos os milésimos de segundo que lentamente passam, mesmo que de vez em quando decida olhar para baixo e veja que a queda continua vertiginosa. Claro que à medida que me aproximo do chão, por ventura para aumentar a ilusão, vou-me desfazendo de tudo aquilo que puder para que o peso que trago comigo possa aligeirar a queda. Curiosamente, e ao contrário do que inicialmente pensava, é cada vez menos difícil separar-me de tudo o que pensava não ser capaz de me separar! E não porque seja uma questão de sobrevivência, porque a queda é de facto inevitável e irreversível, mas porque pensava, atribuí, quase sem me dar conta disso, um significado e uma importância às coisas que, ao ver-me cair, se percebe perfeitamente que na realidade não têm.

Tindersticks - Travelling light

12 comentários:

Tindergirl disse...

Viajar sem bagagem é assim :) Desde que a musica exista sempre...

Em Bicos de Pés disse...

Por acaso, tenho esse sonho várias vezes. Venho lá de cima não sei de onde estatelar-me no chão. Mas nunca chega a acontecer (diz que nos sonhos nunca morremos). E hoje foi mesmo o meu dia Tindersticks.

Anónimo disse...

Adorei a pulsante vertigem de hoje:). A minha pessoal e intransmissível experiência de maturação - vulgo, chegada aos quarenta:) - tem sido sentida como esta libertadora queda no ESSENCIAL... AnónimA.

joaninha versus escaravelho disse...

A única coisa que pesa em mim é a distância dos meus filhos e o querer bem a tudo e a nada. Têm até o peso de um fardo. Muito pesado...
De todo o resto já despojei os bolsos. A felicidade é leve e em vez de me fazer cair faz-me voar. Sonho com voos, não com quedas.
Acho que sou uma felizarda, não é?
Também pode ser só mais um estágio... :/

Anónimo disse...

Mas é que a queda, tal como está descrita no post, tem qualquer coisa de voo:). And... to fall...nem sempre é mau :). AnónimA

joaninha versus escaravelho disse...

AnónimA: Eu estava a falar dos "meus" sonhos. Não me pronunciei sobre o texto, de que gostei muito com é hábito.
Mas o AP já sabe disso. :)

Anónimo disse...

Joaninha: Sim, eu percebi, tal como eu estava a falar da "minha" experiência, mas tanto o teu como o meu ponto de partida foi o post. Melhor, foi o ponto de Elevação:) para outros voos... dentro de nós:).AnónimA.

Joana disse...

Porquê AnónimA ?

Anónimo disse...

Apenas para ser uma letra a menos que anónima, embora 500 000 outras pessoas se tenham provavelmente lembrado do mesmo :); mas sempre difere um bocadinho do "Anónimo disse...". E, depois, distingue o género: feminino:). Também gosto de visitar os teus blogues:).

joaninha versus escaravelho disse...

A "Joana" não sou eu.
Está um pouco confuso, isto... :)

Anónimo disse...

:o gosto de saber que deambulas pelos mesmos "sitios" que eu, sempre se aprende alguma coisa :). joAnA

Anónimo disse...

Xiii! Só agora é que me apercebi de que não estava a falar com a Joaninha, mas, sim, com a Joana... ou joAnA... Que confusão de Joanas, Joaninhas, anónimos e AnónimAs :). "Deambular" é sugestivo:)... Gosto de o fazer por estes lados:)... Há rasgo, há diferença...:). Bom... não sei é se a joAnA estava a falar comigo:)... AnónimA.