• FIM
  • R.I.P

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Vinte minutos

Na cave, precisamente abaixo do cinzeiro, parou o carro com a garrafa de água na porta do lado direito que de manhã aqueceu com os primeiros raios de sol do dia quando, contente, regressava a casa. No piso superior, enquanto uma miúda gorda, com os seus doze, treze anos, corria desenfreadamente a gritar Mc Donalds, depois da sua avó, com um acenar afirmativo, lhe ter dado permissão para lá ir, pessoas decididas e com ar convicto dirigiam-se a caixas encerradas para pagarem as suas compras. O olhar vazio de um casal vestido de amarelo, que passeava pacatamente de mão dada, contrastava com a concentração cerrada de dois putos que tentavam a todo o custo atravessar o corredor evitando pisar os azulejos pretos. Nenhum deles conseguiu efectuar tal proeza nas três tentativas que efectuaram. No princípio da quarta, foram abruptamente interrompidos pela sua Mãe que de imediato terminou com a brincadeira agarrando e carregando consigo um dos petizes! Com a mão toda na boca, a olhar para o tecto, nitidamente a tentar disfarçar o embaraço que devia estar a sentir, ali ficou o outro puto, durante uns sete segundos, o tempo que durou até o Pai soltar um berro. Apressou-se a correr até apanhar o resto da família e seguiram pelo corredor fora até se terem cruzado ao virar da esquina com outra família que vinha em sentido contrário. Os Pais, carregados de sacos, seguiam muito devagar um casal de miúdos, sensivelmente da mesma idade dos outros dois, que caminhavam com passos muito pequenos e comiam cada um o seu gelado, trocando de 3 em 3 segundos um sorriso de cumplicidade. Com ambas as mãos ocupadas, e acenando com o queixo para as montras pelas quais iam passando, sem dizer uma palavra, os Pais arregalavam os olhos um para o outro sempre que um artigo lhes despertava mais interesse. Na curva do corredor, distraídos com uma montra, quase que chocaram com um adolescente de cabelo muito preto, camisa e calças brancas, que passava montado nos seus enormes ténis rolantes! A meio do corredor um grande cinzeiro de aço inoxidável, coberto de areia branca, estava rodeado por três mulheres de salto alto e calças de várias cores a falar excitadamente sobre um novo creme que bronzeia a pele sem ter que ir à praia! Lá fora, o Sol continuava a brilhar e fazia franzir o sobrolho aos poucos transeuntes que passavam indiferentes...

2 comentários:

joaninha versus escaravelho disse...

Muito bem ocupados, estes teus vinte minutos. :)
Também gosto de fazer este tipo de exercício quando estou à espera.
É uma forma de "o tempo não ser perdido" além de que observar é um dos meus passatempos favoritos.
Agora tu escreves muito melhor que eu. :)

AP disse...

:)