• FIM
  • R.I.P

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Inside Job

- Um, dois, três, já:

- Olá. Queria desde já pedir as minhas sinceras desculpas pelo atrevimento na questão que te vou colocar, mas gostaria verdadeiramente de saber se por algum acaso colocas a hipótese, por muito absurda que a mesma te possa parecer, embora ao mesmo tempo, e devido a isso, esse mesmo facto te possa eventualmente causar a vontade paradoxal de querer saber qual a sensação que isso poderia causar, de dormir, ou passar a noite, se assim preferires, com uma pessoa comum?

- Man! O que é que é essa porcaria? Mas que raio de pergunta mais parva é essa? Tu achas mesmo que isso é forma de meter conversa com alguém? Ouve, se eu fosse gaja e tu chegasses ao pé de mim com uma pergunta dessas, que eu nem sei muito bem o que é que afinal estás a perguntar, eu mandava-te logo para o cara...

- HEY! Ora que esta hein! Então não foste tu que disseste que eu tenho de ser atrevido, ousado, que tenho de demonstrar confiança quando meto conversa com uma miúda? Não achas ousado fazer uma pergunta indiscreta destas, assim sem mais nem menos? Não achas que demonstro logo uma auto confiança e uma espontaneidade inabaláveis?

- Miúda?! Ninguém sequer diz miúda quando se refere a uma gaja! E tu achas mesmo que te safas se chegares ao pé de uma gaja com essa conversa? Isso, para além de demonstrar exactamente o contrário de tudo o que te disse que devias demonstrar, demonstra ainda que és um granda tóto! Espontaneidade? Tu achas que essa pergunta é espontânea?...Bom, caga lá nisso tudo, tenta lá outra cena. MAS COMO DEVE SER...Pressão. Tens de saber agir sobre pressão e no momento exacto. Considera isto como um momento de pressão e pensa numa coisa rapidamente. MAS CURTO! Nada de começar uma lengalenga do tamanho da bíblia! Se não arriscas-te a que, quando acabares, a gaja já esteja noutro planeta. Vá, bora lá, um, dois, três, já:

- Yo, babe, cumé? Tá-se...

- PÁRA, PÁRA, PÁRA...O que é que foi essa merda que fizeste com o pescoço e com as mãos? Ouve, tu não és um galo ou um pavão! Metes pena, lá isso é verdade, mas não tens penas nem andas a querer conhecer galinhas...Naturalidade, tens de agir com naturalidade, sem stress. Elas sentem o stress de um gajo e depois fazem de ti gato-sapato. Tens de estar confiante. Falar calmamente e naturalmente...

- E as mãos? O que é que eu faço com as mãos? Deixo-as nos bolsos das calças ou soltas?

- Bom, isso é uma boa pergunta. Durante anos muito se perguntou o que fazer com as mãos na altura de meter conversa. Até hoje não se chegou a nenhuma resposta conclusiva. Se por um lado as mãos nos bolsos podem dar a imagem que és um entronhado, por outro, com os braços soltos, se gesticulares muito, podes dar a sensação que estás nervoso. Cruzar os braços é do pior, assumes uma posição defensiva e alem disso não dá estilo meter conversa com os braços cruzados. Mexer no cabelo é do pior. Está comprovado cientificamente que mexer no cabelo é o símbolo internacional da timidez. O melhor é teres sempre um copo na mão. Só com um braço livre a coisa flui melhor.

- OK. Já sei. Acabei mesmo agora de perceber o que é eu vou fazer sempre a partir de hoje...

- Boa! Vá, bora lá então, um, dois, três, já:

- Olá.

- ... ... Bora...continua...

- É isto.

- Olá! Vais meter conversa com uma gaja dizendo OLÁ! E o que é que respondes se ela também te responder com um olá?

- Respondo com um sorriso, que é a única coisa que sei fazer quando fico nervoso...

- Ouve, isso é a coisa mais disparatada que já ouvi. Capacita-te disto, meter conversa é uma arte, e uma arte em movimento, estás a ouvir? Como é que tu esperas conhecer uma gaja dizendo olá e, ainda por cima, de seguida sorrir?

2 comentários:

joaninha versus escaravelho disse...

Conheci assim um gajo e depois namorei com ele uns anos...
A primeira vez que falámos foi assim. Disse-me olá e sorriu.
E com a continuação dos olás... :D

AP disse...

:)