• FIM
  • R.I.P

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Resistance

Ontem, depois de decidir ir jantar sozinho a um restaurante perto do elevador da bica, devido ao adiantado da hora e do restaurante estar com todas as mesas ocupadas, sentei-me na mesma mesa que um senhor, que mais tarde me disse que tinha 62anos, e comecei a ler a ementa. Assim que terminei de ler a ementa e enquanto me preparava para aguardar pelo empregado, o senhor dirige-se a mim e diz-me: "Eu nem bebo, mas como amanhã faço anos e não sei cá estou ou não, aproveito e festejo já hoje, mesmo sozinho!". Nessa altura reparei que ele tinha à sua frente uma garrafa de tinto já vazia e que já tinha terminado de comer. De seguida, sem que eu pudesse ter dito ou feito nada, a não ser um acenar afirmativo com a cabeça, confidenciou-me que toda a sua vida foi sofrimento e que a coisa ainda se tinha tornado pior depois de a mulher o ter "encornado" com vários homens e de ter ficado sozinho a tomar conta de um filho Bipolar que depois de adulto começou a abusar muito das drogas do tabaco e do álcool, estando o filho dele neste momento impossibilitado de ter sexo uma vez que os medicamentos que está a tomar lhe tiram a "potência"! Depois disse-me que apesar de gostar muito do filho não faz a mínima ideia do que é que ele anda cá a fazer no mundo e, virando-se de repente para o lado, perguntou, em francês, a duas turistas Italianas que estavam sentadas na mesa ao lado dele, se precisavam de Azeite! Elas disseram que sim, agradeceram, e o senhor, voltando-se de novo para mim diz-me: " Eu agora é que estou um bocado acabado, mas apesar de eu estar careca e não parecer, tenho uma inteligência, uma coisa que não sei explicar, que me faz adivinhar as coisas! Viu como eu percebi que elas precisavam de azeite?"! Ainda sem eu ter dito uma palavra, e já com a minha comida à frente, continuou a dizer-me que acerta muitas vezes nos resultados da bola, ou quando é que vai ser golo num jogo, e lamentou-se pelo facto de só não acertar na sorte grande! Pouco depois, voltou-se novamente para as duas turistas e perguntou-lhes, desta vez em espanhol, se conheciam um cantor qualquer Italiano que eu não percebi o nome! Perante a resposta negativa delas, ele começou a cantar qualquer coisa dele, coisa deixou as turistas ligeiramente apreensivas, e, voltando-se novamente para mim, disse-me que não só é uma pessoa muito inteligente, mas que eu estava perante um artista e que ele quando era novo costumava cantar e fazer musica, e que tinha inclusivamente cantado com muitos artistas famosos, entre eles a Amália, o Carlos do Carmo e o Quim Barreiros(!)! Ainda procurou em vão qualquer coisa no bolso para depois me dizer que apenas por não ter ali com ele os documentos que comprovavam o que ele estava a dizer é que não me podia garantir a 100% tal coisa. Ainda sem eu ter aberto a boca a não ser para comer, demonstrou-me os seus dotes vocais ao cantar excertos de fados, de músicas italianas e francesas, e por fim disse-me que até árabe sabia cantar, começando logo de seguida a trautear qualquer coisa numa língua que de facto parecia árabe, fazendo ao mesmo tempo uma pequena coreografia com os braços e a cabeça! Entretanto eu terminei de jantar e finalmente lá consegui trocar umas palavras com ele. Dessa pequena conversa ainda fiquei a saber que tem 62 anos, que é funcionário da camâra de Lisboa e que trabalha na estufa fria, que de vez em quando toma uns antidepressivos, que anda num psiquiatra(Quem diria!), e que a melhor coisa para as "Merróidas", é aloé vera descascado depois de apanhado antes de sol lhe bater, e usado tal e qual como se fosse um supositório! De acordo com as palavras dele, é tiro e queda! Bebi um café, recusei a oferta de um Whiskey por parte do senhor e saí do restaurante rumo a casa, ficando ele, agora em Português, a falar com as duas turistas Italianas!
Já há uns dias atrás, enquanto vinha no metro com um amiga, um senhor já de idade, não cheguei a saber qual, sentou-se à nossa frente e perguntou-nos se éramos Portugueses. Dissemos que sim e ele começou logo a explicar-nos que o Obama não é um bom líder político porque fala de tudo menos das questões racistas! Infelizmente a nossa viagem terminava duas estações depois e pouco mais do que isto pudemos ouvir da boca dele.
Tudo bem que a idade que verdadeiramente deve contar é a mental, mas apraz-me bastante a ideia de um dia poder vir a ter a idade daqueles dois senhores para finalmente poder dirigir-me livremente a estranhos que passem por mim na rua e poder dizer aquilo que me for na cabeça, sabendo sempre de antemão que só o facto de ser um velho (fisicamente) vai fazer com que pelo menos os estranhos não me mandem logo à fava assim que abrir a boca.

8 comentários:

joaninha versus escaravelho disse...

Olha este teu post também me deixou esperançosa!
Eu faço parte daquele tipo de pessoas que fala sozinha na rua. E ainda por cima gesticulo.
Pode ser que depois já não me sinta tão mal quando isso me acontece. :/
Obrigada! :D

AP disse...

Diz que é sinal de sanidade mental falar sozinho :)

joaninha versus escaravelho disse...

Quem é o psiquiatra que diz isso?
Gostava muito de conhecê-lo. :D

AP disse...

:) Há vários artigos na net que corroboram essa teoria.
Apesar do nome dele não ser o mais apelativo, a titulo de exemplo, o psiquiatra e psicanalista Pichon Riviére defende a teoria de que é saudavel tal comportamento!

joaninha versus escaravelho disse...

"Pichon" realmente não é muito sedutor... :D
Mas enfim... vou tentar ler alguma coisa sobre isso.
Mas não achas que depois corro o risco de me descontrair e passar a falar sozinha ainda mais vezes?
Se isso acontecer digo-te já que a culpa é tua. :P
Afinal de contas temos todos uma imagem a manter, até chegarmos à idade que referes neste post e apesar de eu já ter também uma idade que me permite muitas coisas. Pelo menos de as dizer, sem parecer que não bebi chá quando era pequenina...

AP disse...

Eu já cheguei a uma idade em que me preocupo muito pouco, ou mesmo nada, sobre a imagem que dou, ou passo. E gosto muito de chá :)

joaninha versus escaravelho disse...

Este assunto dava uma grande conversa porque me é muito caro.
Mas fiquemos por aqui, lamentando eu neste momento não poder sentir essa liberdade que tu sentes.
Fico feliz por ti e fico feliz também por "conhecer" alguém sem preconceitos nesses campos. :D
Não são assim tantos os que o são mesmo apregoando essa religião. A maior parte das vezes é apenas "de boca". :P

joaninha versus escaravelho disse...

Esqueci-me de referir que andei em busca do Pichon, mas só encontrei artigos relacionados com terapia de grupos e teoria do vínculo...
Parece que não era esse o meu caso... :D